sábado, 11 de janeiro de 2014

La Prima Running 2014

Wow! Cá estou eu de volta com a primeira corrida do ano, assim como fiz em 2013. Na boa, eu nem ligo muito para  a virada de ano. É bacana pela energia da galera e tal, mas meus pais me ensinaram que você precisa batalhar o ano inteiro para garantir o sucesso, e não necessariamente uma noite irá fazer a diferença durante todo o ano. Noites são noites, dias são dias, e a somatória das experiências é que fazem do ano aquilo que queremos. Portanto, eu procuro iniciar ele na pegada da corrida mesmo! Uma corrida buscando fazer ao menos 1km para cada mês do ano (no mínimo), e registrando as primeiras impressões do ano novo.
Engraçado como no primeiro dia do ano, todos estendem mais o seu descanso do dia. Seja porque passaram a virada até altas horas celebrando, sejam porque estavam com sono mesmo ou simplesmente querem ficar "de boa" em casa. Bem, eu aproveito a ausência da cidade para registrar o que eu posso pelo caminho.
Dessa vez parti da Avenida Paulista, palco de inúmeros acontecimentos no ano passado, como os protestos realizados contra o aumento das passagens, ou professores reivindicando melhorias.
O primeiro KM foi pela Doutor Arnaldo, próximo do viaduto Okuhara Koei, que vira e mexe tem uns bons grafites e artes urbanas quando passo de fixa por lá

Viaduto Okuhara Koei - Próximo a Avenida Doutor Arnaldo - Corrida De rua

Poucas pessoas passeando na manhã ensolarada do dia 01 de janeiro.
Segui sem destino definido, apenas correndo para encontrar o ritmo certo para começar o ano. Tranquilo e planejando, mês a mês, o que será necessário para melhorar a vida e das pessoas que me cercam

Vista da Avenida Paulo VI a partir da Avenida Doutor Arnaldo - Corrida De rua

Um pouco mais à frente pude observar a Avenida Paulo VI completamente vazia. A cidade se preparava para renovar os votos de felicidade para 2014. Essa quarta-feira estava mais com cara de Domingo do que de um dia no meio da semana.


Passagem entre a Avenida Doutor Arnaldo e a Rua Petrópolis - Corrida De rua

Resolvi adentrar pelos bairros, saindo um pouco das avenidas principais, e eis que dou de cara com uma belíssima passagem entre a Avenida Doutor Arnaldo e a Rua Petrópolis,

Passagem entre a Avenida Doutor Arnaldo e a Rua Petrópolis - Corrida De rua

 Lugares simples por natureza evocam uma paz sem igual quando passamos por eles. É o tipo de lugar que você não encontra no dia a dia, quando está "correndo" para o seu trabalho ou para a faculdade.

Passagem entre a Avenida Doutor Arnaldo e a Rua Petrópolis - Corrida De Rua

Vista inferior da passagem entre as ruas.

Ok, hora de enfrentar o asfalto novamente. Somente a companhia de alguns seguranças de bairro, em suas guaritas vendo o Jornal, que passava matérias da Noite de Réveillon (que eles possivelmente passaram ali dentro, ou pelas ruas do bairro que cuidam, longe dos familiares). O fone no ouvido só me permitia ouvir umas faixas do Metallica, contrastando com a tranquilidade dos locais por onde eu passava, em um pace muito confortável, afinal no primeiro dia é preciso calma e planejamento para traçar os objetivos a serem alcançados por todos os próximos 365 dias.

Rua Aimbere, no cruzamento com a Alfonso Bovero - Corrida De Rua

Na foto acima, a Rua Aimbere, no cruzamento com a Alfonso Bovero. Baita treino de subida, hein? Desci a Alfonso (tem um L aí no meio, hein?) até acabar, dando de frente para a Rua Doutor Augusto de Miranda. Uma rua de paralelepípedo. Poucas pessoas estava na rua. Um grupo de jovens chegando em casa aquela hora da manhã. Um senhor, que eu tentei cumprimentar enquanto corrida, mas deu de ombros e fui cuidar do seu filho que estava na calçada. Talvez não gostasse muito de corrida. Logo mais à frente, um taxista que mais parecia estar se localizando pelo bairro, andando devagar em seu carro e dando passagem para os poucos pedestres da rua.

Portão Antiga - Corrida De Rua

Aproveitei para registrar esse curioso formato de portão nessa mesma rua. Uma entrada exótica para uma residência. Estreita, pequena, me lembra as portas antigas de faroeste...

Praça Diogo do Amaral - Vila Romano - Corrida De Rua

Foi aí que encontrei essa praça. No mapa tem o nome de Praça Diogo do Amaral. Muitas escadas, grama por todo o lado, e espaços vazios no meio do parque. Se não fosse pela topologia bem irregular, deveria ser um bom lugar para andar de skate ou bike. Ela tem um formato elíptico, muito bonita mas mal cuidada. Havia uma reforma do lado direito da praça, e logo acima moradores caminhavam com seus pais e animais de estimação para um banho de sol naquela manhã.

Praça Diogo do Amaral - Vila Romano - Corrida De Rua

Mas o legal é chegar lá em cima e perceber a vista. A foto acima mostra a rua que eu passei para chegar até aqui. Um contraste do primeiro plano arborizado, com o plano de fundo de concreto da metrópole. Alguns riscos no tronco da árvore, mas não demonstravam que foram realizados por algum casal de apaixonados não...

Paróquia São João Maria Vianney, na praça cornélia - Corrida De Rua

Correndo mais um pouco (entre o 6º e o 7º KM), encontro uma igreja antiguinha, bem tradicional. Trata-se da Paróquia São João Maria Vianney, na praça cornélia. Um paço amplo, que na semana não imagino do que deve ser preenchida. Alguns casais estavam nos bancos da praça, conversando, me olhando correr por ali e estranhando porque eu tava fotos bem no centro da praça. Olhares de lado para corredores de rua até hoje são estranhos de entender. Ironicamente, registrei a "amarelinha" que pintaram no centro da praça, onde o inferno estava logo na saída da igreja, e seguindo em frente encontra-se o céu.

Rua Clélia - Corrida De Rua

correndo pela Rua Clélia, entre vários bêbados e mendigos jogados pelas calçadas do bairro, passo por uma fachada onde vejo essa pintura assimilando um bonsai e nuvens, quase como flores em um lugar montanhoso e perdido na imaginação do artista. Assim é São Paulo: a cidade que não existe de fato. É uma cidade onde cada cidadão a imagina de uma forma. Ela pode ser calma, tranquila, movimentada, caótica, linda, suja, feia e atemporal. Praticamente todas as cidades modernas são estruturadas conforme a personalidade das pessoas que vivem nela.

Grafite na Rua Tiriaçu - Corrida De Rua

Pela Rua Tiriaçu, artes brotam das paredes de forma convidativa aos consumidores do Shopping Bourbon para que saiam do ambiente comercialmente controlado e milimetricamente estudado para e experiência do consumo, e que venham apreciar uma arte urbana disponível nas ruas que cercam o complexo comercial.

Grafite na Rua Tiriaçu - Corrida De Rua

Radares poluem a vista da arte, preocupados não em controlar a velocidade daquele trecho em específico (já que a curva é muito fechada). A arquitetura desse lugar me parece estranha. Hora vejo grandes edifícios que fazem sombra aos mais diversos lugares durante o dia. Em outro momento passo por ruas pequenas, estreitas, e vejo casas pequenas e bares, restaurantes quem mais parecem casas de origem italiana do meio do século passado. Uma região em transformação,

Boulevard comercial na Rua Teixeira e Souza - Corrida De Rua

Na Rua Teixeira e Souza, encontro esse Boulevard comercial, vazio no dia 001 de 365. A essa hora The Killers e Pharrell Williams já passaram pelo fone e resgatam os Descendents para uma tranquila avenida de São Paulo. Passo por esse ambiente lúdico, perfeitamente decorado com os motivos do inverno da américa do norte. Cores vermelhas e gorros de lã para um calor senegalês que é o nosso Natal Brasilis.

Viaduto Antártica - Corrida De Rua

Como um tapa na cara, saindo desse ambiente, defronto as passagens paulistanas que nos conectam entre rios: Viaduto Antártica. Talvez meu excesso de confiança venha me custar algo um dia, mas neste momento, debaixo do viaduto, saquei o celular para registrar a luta entre a luz que insiste em transitar por entre as faixas duras do concreto paulista. Sonhos, alegria e tranquilidade pelo lado de cima da passagem. Por baixo, esperança, acomodação e tristeza. Alguns artistas insistem em utilizar as raízes do concreto para demonstrarem sua arte, como se pusessem um pouco de vida sobre os alicerces da transição paulistana entre o claro e o escuro. Parei e olhei por uns instantes fora da tela do celular, como se tentasse sintetizar todas as manifestações urbanas naquele momento, mas era impossível. Artistas sobrepõem outros artistas. Os antigos e mais apagados dão lugar aos mais novos e ansiosos por deixarem sua marca naquele momentum.
Segui. Não conseguiria registrar tudo o que vi eletronicamente. Fica para uma outra hora.

Arte em um muro na Av. Francisco Matarazzo - Corrida De Rua

Eis que logo em seguida surge uma bela arte, embora seja um CRTL+C,CRTL+V de Romero Britto, mas o artista deixou isso claro ao escrever abaixo da arte que usara a referência do manolo.

Corredor na Av. Francisco Matarazzo indo em direção ao Elevado Costa e Silva (Minhocão) - Corrida De Rua

Então segui para a Av. Francisco Matarazzo. Imaginava se era um dos poucos loucos por aqui, quando esse cara aparece e passa em um ritmo mais forte que o meu (Ok, eu não estava rápido nesse dia). Foi aí que cruzamos com outro corredor, que vinha em sentido contrário, e parecia que tinha acabado de sair da São Silvestre: Viseira, shots de atletismo, camiseta por dentro da calça e garrafinha de água na cintura.
E do outro lado da rua havia um corredor com quase a mesma configuração. Aí que me dei conta que a hora tinha passado, e possivelmente eles iniciaram as atividades naquele momento. O cara de vermelho aí de cima iria fazer o mesmo percurso que eu, adentrando o Elevado Costa e Silva (foto abaixo) para seguir até o centro velho de SP.
Foi quando ele encontrou com outro corredor. Os dois não se conheciam. E eu também não os conhecia. Fui mais devagar, pois encontrei uma composição bacana pra fazer uma foto: Uma placa. Uma não, duas, não, três! Placas de proibição. A primeira (de cima para baixo) ok, já a segunda e a terceira são placas irônicas para um FDS ou Feriado no Elevado. Nelas havia a proibição de pedestres e ciclistas. Foi quando avistei de longe os corredores e resolvi clicar ali mesmo.

Corredores de rua no Elevado Costa e Silva (Minhocão) - Corrida De Rua

Em 2014, permita-se quebrar as regras às vezes. Nem tudo foi constituído de regras, e se você as seguir fielmente, no máximo terá executado um "bom trabalho". Lembrando que o bom é o maior inimigo do ótimo!


 Algo que não tinha reparado desde que passara por lá nas últimas semanas: um jardim suspenso
Atleta em São Paulo - Corrida De Rua

Foi aí que o corredor de vermelho foi até o meio do Elevado e voltou. Não sei pra quanto ele ia, mas não parecia querer fazer uma distância grande não...


O elevado  sempre me inspira a tirar umas boas fotos de ambientes urbanos vazios. Tão contrastantes como caos que a domina durante a semana.

Elevado Costa e Silva - Corrida De Rua

 Eu gosto de transitar pelas camadas. Não pertencer à uma casta específica nem a ter bloqueios e receios. Corro onde houver estradas a percorrer. O medo é apenas uma sensação que nunca se concretiza.

Arte nos muros - Corrida De Rua

A maior parte dos corredores preferem avenidas movimentadas, só correm por lá ou pelos parques. Eu procuro conhecer ambientes incomuns na cidade para uma corrida. Assim fui por debaixo do elevado, no túnel onde frequentemente vejo viciados à luz do neon entregando seus dias ao esquecimento e ao tempo líquido.

Corrida no túnel - Corrida De Rua

Artistas também frequentam essa  região, talvez pelo mesmo sentimento que eu as percorro. Ali também existe vida, e onde há vida, há esperança.

OsGemeos Corrida no túnel - Corrida De Rua
 Alguns artistas famosos passam por aqui, aparentemente os gemeos também fizeram sua caminhada até esse ponto, como vários outros. Eu preferir fazer uma corrida até o outro lado. Nada demais, a não ser uns viciados que quando vêem que é um corredor (e talvez naquele momento não tinham possibilidade de obter alguma coisa), simplesmente continuam seu caminho até o outro lado da rua, por debaixo do concreto iluminado de azul fluorescente.
Corrida De Rua
 Existe?
street art - Corrida De Rua

Arte nos muros - Corrida De Rua
 Ok, já estamos do outro lado. Uma cidade vazia, cidade cinza e com alguns tons de azul e latas de metal motorizadas transitando pelo petróleo solidificado e planificado.

Grafitti - Corrida De Rua

 Igrejas, relógios e sinos continuam sinalizando e indicando nossa posição pela cidade, desde a idade média

Grafitti & NEON - Corrida De Rua
 Atravessando o azul (blue) triste do subsolo paulista, caí em uma das ruas mais badaladas de São Paulo: A Rua Augusta. Já estava no meu 13º KM, um pouco cansado pela falta dos treinos semanais, mas ainda de pé pela disciplina em continuar na atividade.
Gratitti,Graffitti,Grafite ou Street Art - Corrida de Rua

Fachadas que se destacam em contraste com o cinza escuro da cidade são sempre identificáveis por essa rua, assim com foi a fachada da Caos, que logo de cara me fez voltar à minha infância pela simbologia e signos cult de uma época distante dos últimos 20 anos...


E o que dizer das verdades expostas nos postes da Augusta? Sempre nos lembram das coisas mais simples da vida



Daí cruzo a Paulista. Havia deixado o carro no cruzamento da Paulista X Augusta. Desci um pouco mais para ver se tinha algum lugar pra tomar um bom café, afinal não tinha comido nada antes do treino.


 E para minha (grata) surpresa, não é que o Starbucks que sempre frequento não estava aberto? Parecia um sinal, pois havia determinado que este ano frequentaria menos esse café que me acompanhou por quatro anos na graduação de Marketing


Passo pela Loja da Avenida Paulista (em frente ao MASP) e também encontra-se fechada. Os 15K foram finalizados aqui. Havia cumprido a meta de 1KM para cada mês do ano, e ainda fiz um pouquinho mais pra ter uma gordura durante o ano, rs.


No Starbucks da Alameda Santos, a mesma coisa! E ainda com o detalhe das faixas zebradas, reforçando que não iria abrir mesmo!

Corrida de Rua

Por fim, um selfie. Dos poucos que tiro em minha vida, esse foi um para registrar mais um treino de início de ano bem realizado.

Logo abaixo você pode ver o percurso que eu fiz pelo Endomondo:


http://www.endomondo.com/routes/285221277

Para muitos, um treino é apenas um treino, uma corrida é apenas uma corrida. No meu caso, esses treinos de início de ano significam um tempo para que eu possa mentalizar o que eu pretendo correr nesse ano. Não somente sobre a corrida esportiva, a corrida passada, trotada, do esporte. É também a corrida da vida, o percurso que você quer desenhar este ano e como você vai chegar lá! Precisa ir mais devagar em algum ponto? Precisa apertar o ritmo em outro? Tem que fazer acontecer nos momentos decisivos? Isso pra mim é correr. É entender cada dia mais o sentido da vida.

Consegui montar um video com as fotos aí de cima também! Espero que curtam:


Que venham os próximos KM's!!!

Ismael Paulo Santos
#LaPrimaRunning 2014

Nenhum comentário: