sábado, 30 de junho de 2012

Sobre perdas, partidas, chegadas e uma nova corrida


Pois bem. O ciclo de Janeiro a Junho se foi. Exatamente 6 Meses do ano, sua metade, seu meio. E daqui pra frente serão outros 500, ou mais precisamente 183 Dias. Posso dizer que fechei mais um ciclo este ano. Houveram grandes mudanças nos meus treinos, impactados por várias experiências e situações que passei ultimamente. Também fiz muitas adequações a outras situações da vida, e ultimamente, parece que a vida está mais agitada do que era antes.
Nos últimos dois anos de minha vida tem acontecido mais mudanças que no período de 8 anos em que eu parecia congelado para a vida. Sinto como se tivesse adormecido por um tempo, no vácuo, em um lapso temporal, e vim acordar em 2012.
Vim acordar justamente no ano em que o mundo está prestes a acabar! Bem, para muitos isso não vai acontecer. Pra mim, em um pequeno lapso do tempo, acabou.
Algumas coisas básicas que levamos com a gente, como amigos e pessoas queridas são como pilares pra vida. Se a gente perde algum deles, possivelmente a estrutura será abalada. Claro que o tempo se encarrega de amenizar as dores e redistribuir o peso durante o trajeto, mas sempre fica uma sequela do que aconteceu. Na vida é assim: a gente ganha em algumas situações, perde em outras, fica feliz, triste, chega e sai em várias Janelas situacionais.
Eu sou um colecionador de quotes, aquelas frases ditas por personalidades que, de algum modo, trouxeram  luz à alguma atividade humana ou fato histórico e nos deixam gravadas algumas dicas em praticamente um tweet (Em torno de 140 caracteres). Talvez em goste destas frases porque são rápidas, sucintas e diretas. Não sei ainda se sofro de TDAH, mas não consigo me concentrar em textos longos e imaginar pensamentos lineares e "perfeitinhos". Tenho uma grande fissura por histórias desconexas, falta de linearidade e assincronismos. Eu sempre achava que estava errado, que deveria me adequar ao que chamamos de "padrão", até perceber que a história não é bem assim.
Uma delas, em especial, realizou profundas mudanças no meu modo de pensar. A frase estava estampada no Blog Saia do Lugar, que possui uma boa coletânea de ensinamentos e inspirações para quem quer sair da zona de conforto. Trata-se dos 8 ensinamentos de Einstein sobre desenvolvimento pessoal:


Escritório de Einstein no Instituto de estudos avançados, em Princeton, NJ, fotografada no dia de sua morte, em 18 abril de 1955
1. Seja um insistidor“Não é que eu seja tão esperto. É que eu tento resolver os problemas por mais tempo”
2. Tenha foco“Qualquer homem que consegue dirigir com segurança enquanto beija uma linda garota simplesmente não está dando a atenção  que o beijo merece”
3. Crie valor“Não lute para ser uma pessoa de sucesso. Lute para ser uma pessoa de valor”
4. Seja curioso(a)“Eu não tenho nenhum talento especial. Apenas sou apaixonadamente curioso”
5. Cometa erros“A pessoa que nunca cometeu um erro é aquela que nunca tentou algo novo”
6. Fuja da insanidade“Definição de insanidade: fazer a mesma coisa diversas vezes esperando resultados diferentes”
7. Espere resistência“Grandes espíritos sempre encontraram uma grande resistência das mentes medíocres”
8. Evolua rápido“Você precisa aprender as regras do jogo. Então, você precisa jogar melhor do que todo mundo”

Todas são excelentes, e não há uma que não possa ser aplicada na vida de qualquer pessoa. Mas a sexta (6) dica foi a que mais me marcou. É insano que você passe todos os momentos da sua vida realizado tudo do mesmo modo sempre, e esperar que as coisas mudem sozinhas. Isso não existe! Não adianta você treinar todos os dias da mesma forma, durante anos, e achar que vai chegar a um ponto de sublimação e criacionismo, e que tudo se realizará sozinho. É preciso aplicar movimento, força e vontade para que as coisas saiam do lugar. E saí de 2010 com um grande aprendizado.


A partida




Durante a grande corrida da vida, a gente sempre conhece pessoas maravilhosas, que por momentos, anos, décadas ou segundos entram e saem de nossa vida. Movimentos aleatórios, independentes, voluntários ou involuntários, como uma prova de longa distância e suas armadilhas. Pois bem, neste momento celebramos e sempre ficamos felizes com a chegada dos novos, amigos, familiares, amores, e afins. Porém sempre temos despedidas, pois a corrida é longa, e nunca podemos manter todos no mesmo ritmo.
Ela não corria, mas eu tinha um encontro duas vezes por mês todos os sábados pela manhã: Trata-se da minha cabeleireira. Sim, nesse blog de corrida estou falando sobre a minha cabeleireira, que é alguém muito especial. Minha ex namorada me apresentou a ela, há uns 6 anos atrás. E vocês sabem como é difícil encontrar alguém que a gente goste de cortar nosso cabelo.
Lá pelos idos de 2006 comecei a frequentar o lugar, e até este ano, quinzenalmente, ia todos os sábados pela manhã conversar e colocar a juba em dia =). Há cerca de 2 meses tive a notícia: ela não iria mais trabalhar. Estava com problemas de saúde por conta dos produtos químicos e teria que deixar a profissão se quisesse continuar bem de saúde. Então, decidiu voltar para a sua casa e família em Minas Gerais. Ela uma senhora muito simpática, já com seus 65 anos, mas sempre com bom humor e um excelente atendimento.
Parece uma coisa boba, mas é uma perda no mínimo chata. O meu namoro acabara há 2 anos, mas eu continuava a frequentar o salão pela amizade que tivemos e pelo sofrimento que ela me viu passar quando tudo acabou.


A perda



Há 12 anos, eu estava saindo do colegial, e ia iniciar minha vida profissional. Então, todos os amigos de escola acabaram de afastando, e os contatos foram minguando à medida que os anos se passaram. Exceto um: uma amiga em especial cujo contato mantivemos durante anos através de correspondência, mesmo que morássemos a cerca de 3 quilômetros um do outro. Eu aproveitava e exercia meus dotes artísticos fazendo desenhos a alusões a grandes obras de arte nos envelopes que usávamos na época. Verdadeiras obras de arte, na minha humilde opinião, rsrs.
O anos se passaram, as vidas tomaram rumos diferentes e todos tocaram suas vidas conforme a nau do destino, esse grande e imenso vazio que acreditamos existir. Foi quando o acaso fez com que tomássemos mais contato, o que dificilmente acontecia, e passamos a conversar mais nos últimos anos.
Bem, a gente nunca sabe quando certas coisas podem acontecer, como você ter uma crise nervosa, um profundo desgosto ou até mesmo gostar de alguém. A lógica destes processos são demasiadamente complexas para que se possa mapear e prever estes acontecimentos.
Então, este ano, um desses fatos ocorreu comigo, e talvez o pior que possa acontecer quando se trata de i1982: Gostar de alguém. Após o meu último relacionamento, prometi que não aconteceria de novo esse infortúnio para a minha saúde que é gostar. Sempre que me relaciono, tendo a levar os sentimentos a grandes doses emotivas, e acabo ficando cego, sem notar alguns impactos e consequências. Bem, foi exatamente esta falta de visão que me ocorreu este ano. O que era apenas um sentimento de amizade acabou se tornando outra forma de admiração, da minha parte, e então passei a enxergar uma amiga de muitos anos com outros olhos. Não sei isto foi precipitado, errado ou incoerente: Simplesmente aconteceu, e quando certas coisas acontecem, é melhor não guardar isso só com você.
O final foi muito triste: ela se foi em 15 de Maio de 2012. Sem palavras, sem emoções, sem respostas.
As perdas são bem difíceis de administrar, principalmente quando você está habituado aos sorrisos e alegrias dos que o acompanham pelo caminho. O caminho da vida dá muitas voltas, mas você nunca vai passar pelo mesmo rio duas vezes (O pensamento de Heráclito).
Talvez a perda seja um dos sentimentos mais difíceis de administrar, pois não se pode ter controle sobre uma variável externa. Ela simplesmente acontece, e o que pode ser feito é a melhor forma de administrar o impacto, absorvendo-o ou gerando um novo movimento de mesma força.
Mas após a tempestade sempre vem a calmaria, e podemos refletir melhor sofre os fatos. Como Heráclito já dizia: "Tudo flui", assim como a corrida, a vida é um movimento intenso e confuso, cheio de fluxos a favor e contra.


Heráclito, parte do princípio de que tudo é movimento, e que nada pode permanecer estático - Panta rei ou "tudo flui", "tudo se move", exceto o próprio movimento.

O devir, a mudança que acontece em todas as coisas é sempre uma alternância entre contrários: coisas quentes esfriam, coisas frias esquentam; coisas úmidas secam, coisas secas umedecem etc. A realidade acontece, então, não em uma das alternativas, posto que ambas são apenas parte de uma mesma realidade, mas sim na mudança ou, como ele chama, na guerra entre os opostos. Esta guerra é a realidade, aquilo que podemos dizer que é. "A doença faz da saúde algo agradável e bom"; ou seja, se não houvesse a doença, não haveria por que valorizar-se a saúde, por exemplo. Ele ainda considera que, nessa harmonia, os opostos coincidem da mesma forma que o princípio e o fim, em um círculo; ou a descida e a subida, em um caminho, pois o mesmo caminho é de descida e de subida; o quente é o mesmo que o frio, pois o frio é o quente quando muda (ou, dito de outra forma, o quente é o frio depois de mudar, e o frio, o quente depois de mudar, como se ambos, quente e frio, fossem "versões" diferentes da mesma coisa).

(via Wikipedia)

Você pode notar a relação de tudo isso com a corrida? ;)

A Chegada


Como todo período introspectivo, você sempre sai com algumas considerações sobre situações e fatos ocorridos. Assim como uma prova mal planejada ou uma corrida que você faz uma distância da qual sabe que não está condicionado, sempre vai retirar desta situação uma lição, nem boa nem má, apenas a lição sobre o acontecimento.
Assim é a vida: Aprender, conviver e modificar o que é possível. Assim, você pode abrir os olhos para todas as coisas que o cercam e acabar com algumas "miopias". O vício de se manter em uma rotina ao longos dos anos pode lhe consumir sem que você necessariamente perceba, e quando notar, talvez seja tarde demais. Então, trate de olhar melhor o caminho que está percorrendo, a qualidade da trilha, quem te acompanha e principalmente para onde você quer ir.


Uma nova corrida




Durante esse período contemplativo, passei a encontrar uma nova atividade para espairecer e colocar os pensamentos em dia. Não que eu não a fizesse antes. Aliás, eu já o praticava quando era muito jovem, e toda a minha infância foi passada através desta atividade, até eu dar entrada no ensino técnico.
De todas as atividades urbanas, na minha opinião, depois da corrida, a bike é o melhor esporte para se fazer em uma grande cidade. E depois da perda da minha amiga, uma atividade passou a fazer mais parte ainda da minha vida: O ciclismo. Não o ato de andar de bicicleta somente, mas uma filosofia de vida que nos torna mais livres para fazer o que quisermos fazer. Pode parecer louco, mas quando vários loucos pensam da mesma forma, talvez seja hora de considerar isso como uma nova realidade.
Atualmente, devido a minha ocupações profissionais e o estudo acadêmico, só consigo praticar durante os fins de semana. Desde o ano passado já estávamos praticando juntos alguns passeios de bike, mas eu não percebia o quando isso poderia mudar minha percepção sobre locomoção.
A partir deste ano, juntamente com outro amigo, passamos a realizar treinos de Corrida e Bike sequenciados, o chamado Duathlon. Creio que essa atividade foi determinante para que eu passasse a encarar a bike como uma opção a ser considerada. Fizemos bons treinos até maio deste ano. Como distâncias variadas.
O que restou de tudo isso? O prazer de rodar 50,70  ou 100Km´s no fim de semana em cima da magrela.
Ultimamente, passei a conhecer um movimento interessante de pessoas que usam suas bikes como estilo de vida: Trata-se das fixed-gears, fixie ou fixas como são chamadas as Bikes de pinhão fixo (Aquelas que você pode pedalar para trás). Mais do que uma simples bike, esse equipamento vem sendo usado cada vez mais nas grandes cidades como meio de locomoção, visto que o modelo automóvel é comprovadamente um modelo falido. Já estou fazendo uso constante da Mountain Bike que tenho, e em breve uma fixed gear/speed será muito bem vinda para acompanhar nos passeios de final de semana ou nas bicicletadas da vida. Então não se assustem se uma hora ou outra aparecer um post sobre algum passeio de bike por aqui =)

Na vida nem todos os caminhos são retos e lineares. Às vezes é necessário que o seu centro gravitacional seja alterado para que você encontre a orbita certa.
Tudo é movimento, e nada pode permanecer estático.
#KEEPRUNNING





Nenhum comentário: